Thread Rating:
  • 0 Vote(s) - 0 Average
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Oculus RIFT DK2
#1
p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; line-height: 17.0px; font: 14.0px Tahoma; color: #333333; -webkit-text-stroke: #333333} p.p2 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; line-height: 17.0px; font: 14.0px Tahoma; color: #333333; -webkit-text-stroke: #333333; min-height: 17.0px} span.s1 {font-kerning: none}
Tive oportunidade de experimentar o Oculus Rift DK2.


Vou deixar um curto resumo da minha experiencia.

ENJOO
RESOLUÇÃO
IMERSÃO

ENJOO
Sou uma daquelas pessoas que enjoa com extrema facilidade. 1 minuto a andar de carro em pendura a olhar para o telefone é o fim, enjoo de carro, barco, comboio.. já cheguei a enjoar na praia do meco com a ondulação, só me safo de avião.

O meu maior receio era o enjoar, não enjoei! Mas fiquei bastante abatido nas primeiras tentativas, tipo pequena ressaca.
Nunca estive ainda muito tempo com os oculos, penso que devo ter feito 30 minutos seguidos no máximo. 

A primeira experiencia foi com o iRacing em Lime Rock com o Porsche Cup, na subida/curva “Uphill” sentia uma sensação estranha na barriga, o normal que sentimos em subidas os descidas bruscas, mas com o tempo, 3 ou 4 voltas esse sentimento passou.
Fazer marcha a traz é um sentimento muito estranho, esse ainda não me passou mas tambem o sinto com 3 monitores.

Estive a usar o dia de ontem, com configurações gastei mais tempo a configurar que a jogar, mas no fim do dia, sentia-me muito mais confortável a usar. Andei pouco mais de 30 minutos, e o sentimento inicial de “ressaca” foi muito menor, para não dizer inexistente.
Acredito que com o uso, me consigo habituar perfeitamente.

RESOLUÇÃO
Muito baixa, principalmente quando queremos ver detalhes, placas com distancia para a curva, não têm leitora, ou só tem quando estamos mesmo em cima delas.. tem de ser por memória o que normalmente acontece comigo.
Como não uso muito “marcadores”  os meus pontos de travagem e viragem são mais pelo feeling do espaço este factor na me afecta muito, para quem é rápido deve ser dificil fazer bons tempos.

Em Mid Ohio, a T1 é uma esquerda que está  “marcada” por uma linha amarela fina que define o interior, não se consegue ver, foi muito dificil fazer voltas ali sem falhar a curva.

Em Sebring, novamente na T1 para a esquerda, a minha referencia para a entrada na T1 e o fim do muro e o inicio dos pinos laranja, não conseguia ver de forma útil essa referência, mas com a percepção do espaço consegui acertar bem com a curva. Nesta acredito que com treino se faz melhor com o Rift, pela percepção do espaço.
Aqui andei a treinar com o IMSA usando o Corvette DP, sendo um campeonato multiclasse tem vários modelos diferentes, só quando estava em cima dos carros (4 ou 5 mts) conseguia identificar o modelo.


IMERSÃO
É alucinante… É tão espetacular que dá vontade de trocar já para o Rift, mesmo com as enormes limitações de resolução. Como é ainda muito caro não vou fazer, mas já me levou a abortar a reforma do SimRacing.
Vou espera pela próxima geração de VR, se tiverem o dobro da resolução do que existe agora, ainda fica com bastante menos que um monitor FullHd de 22” a 60cm dos olhos, mas já é mais que suficiente para mudar.

A imersão não dá para descrever, é como estar dentro de um carro… com muito pouca resoluçã na imersão a falta de resolução não afecta muito o efeito, lembro-me de dar umas voltas com o HPD em LeMans e quase conseguia sentir as aquecer quando o angulo do sol as iluminava.
Não é só o sentimento de imerssão que se ganha, a percepção da pista é fenomenal, com o HPD em LeMans, sinto que fiz logo todas as curvas melhor… A entrada em Indianapolis e espetacular, fazer as Porsche.. indescritível.

No Assetto Corsa, fui dar umas voltas no circuito do Estoril, o único em que já andei na vida real. Fui com o MX5 original, a percepção da pista é muito melhor.. novamente, travar e fazer a T1, é tão mais simples…


O Rift com o resto do meu setup, SimCube; Buttkicker com SimVibe, traduzem uma experiência muito mais real que com apenas 3 monitores. Vou apenas esperar provavelmente pelo Oculus Rift CV2.
Reply
#2
Bom resumo Smile

Reply
#3
Excelente partilha! Obrigado Hélder.
[Image: logo_png.png]
Reply
#4
Só agora reparei nesta rubrica e aproveito para a minha "posta de pescada". Pelo que li a versão do Hélder é o DK2 (foi a versão de desenvolvimento da Oculus) e portanto uma versão menos evoluída da versão comercial que saiu há um ano (CV1).
Tenho o CV1 desde meados do ano passado e confirmo que é um periférico que muda profundamente a maneira como encaramos as corridas tal a imersão que proporciona mau grado ter uma resolução que não se compara à dos monitores. No entanto quer o software da oculus quer o dos simuladores tem evoluído a ponto dessa resolução deixar de ser um problema grande para a sua utilização. O iracing introduziu também melhorias consideráveis e agora o CV1 porta-se muito bem para que tem máquinas (cpu e gpu) que aguentem. O CV1 (ou o Vive) são periféricos que podem ser meros entretenimentos para jogos genéricos mas para simuladores de automóveis (e segundo leio, de aviões) são um acréscimo de peso. Não se esperam desenvolvimentos de monta nos próximos ano e meio a 2 anos pelo que quem quer apostar neste tipo de solução tem tempo para os usar até à saciedade.
Simulador actual: iRacing; Passado: GPL
Reply
#5
(22-05-2017, 04:12 PM)Mario Pires Wrote: Só agora reparei nesta rubrica e aproveito para a minha "posta de pescada". Pelo que li a versão do Hélder é o DK2 (foi a versão de desenvolvimento da Oculus) e portanto uma versão menos evoluída da versão comercial que saiu há um ano (CV1).
Tenho o CV1 desde meados do ano passado e confirmo que é um periférico que muda profundamente a maneira como encaramos as corridas tal a imersão que proporciona mau grado ter uma resolução que não se compara à dos monitores. No entanto quer o software da oculus quer o dos simuladores tem evoluído a ponto dessa resolução deixar de ser um problema grande para a sua utilização. O iracing introduziu também melhorias consideráveis e agora o CV1 porta-se muito bem para que tem máquinas (cpu e gpu) que aguentem. O CV1 (ou o Vive) são periféricos que podem ser meros entretenimentos para jogos genéricos mas para simuladores de automóveis (e segundo leio, de aviões) são um acréscimo de peso. Não se esperam desenvolvimentos de monta nos próximos ano e meio a 2 anos pelo que quem quer apostar neste tipo de solução tem tempo para os usar até à saciedade.

boas Mario

quero passar de 1 para 3 monitores. pelo que entendo, será melhor opçao os oculus cv1?

abraço
Carlos Filipe Silva
Reply
#6
(25-05-2017, 11:14 AM)Carlos Filipe Silva Wrote:
(22-05-2017, 04:12 PM)Mario Pires Wrote: Só agora reparei nesta rubrica e aproveito para a minha "posta de pescada". Pelo que li a versão do Hélder é o DK2 (foi a versão de desenvolvimento da Oculus) e portanto uma versão menos evoluída da versão comercial que saiu há um ano (CV1).
Tenho o CV1 desde meados do ano passado e confirmo que é um periférico que muda profundamente a maneira como encaramos as corridas tal a imersão que proporciona mau grado ter uma resolução que não se compara à dos monitores. No entanto quer o software da oculus quer o dos simuladores tem evoluído a ponto dessa resolução deixar de ser um problema grande para a sua utilização. O iracing introduziu também melhorias consideráveis e agora o CV1 porta-se muito bem para que tem máquinas (cpu e gpu) que aguentem. O CV1 (ou o Vive) são periféricos que podem ser meros entretenimentos para jogos genéricos mas para simuladores de automóveis (e segundo leio, de aviões) são um acréscimo de peso. Não se esperam desenvolvimentos de monta nos próximos ano e meio a 2 anos pelo que quem quer apostar neste tipo de solução tem tempo para os usar até à saciedade.

boas Mario

quero passar de 1 para 3 monitores. pelo que entendo, será melhor opçao os oculus cv1?

abraço

Viva Carlos, vou dar-te a minha opinião. Há quem não goste da solução de RV por todas ou algumas das desvantagens que apresenta nos dias de hoje. Para quem possa utilizar sem problemas a solução VR eu acho que ela é vantajosa sobre a solução de 3 monitores (mais imersiva, eventualmente mesmo preço ou até mais barata) e poupando imenso espaço.
A minha sugestão é que, se puderes, tentes experimentar antes de comprar. Senão compra só se estiveres de facto convencido em apostar nesse tipo de solução. Fiquei a saber ontem que a fnac está a vender o Vive por 799.99 o que é um bom preço. Não experimentei o Vive mas por tudo quanto tenho lido deve oferecer uma experiencia idêntica ao CV1. Talvez a fnac tenha lá equipamentos para experimentar.
Termino dizendo que hoje, depois de ter o CV1 há mais de meio ano não o trocava por qualquer solução de 3 monitores. Uso-o práticamente apenas no iRacing e de vez em quando numas passeatas no Dirt Rally e no Asseto Corsa.
Simulador actual: iRacing; Passado: GPL
Reply


Forum Jump:


Users browsing this thread: 1 Guest(s)